sábado, 16 de fevereiro de 2008

CRB dificilmente jogará no Rei Pelé na Série B

Ainda numa análise preliminar, os mais diversos setores do futebol alagoano já começam a trabalhar com a possibilidade de o CRB não jogar no Rei Pelé durante o Campeonato Brasileiro da Série B.

A liberação parcial das grandes arquibancadas - com capacidade para sete mil torcedores - atenderá apenas jogos de pequeno porte no Alagoano. Além disto, os clássicos que envolverem a presença de duas torcidas não deverão ser realizados na maior praça de esportes do Estado. Para tornar a situação ainda mais complicada, o relatório da comissão de engenheiros do Governo do Estado atesta que a liberação será por apenas noventa dias.

Com essa situação, o CRB, único representante do Estado na Série B, será prejudicado e pelos prazos imaginados, dificilmente jogará em casa na Série B. A conta é simples e sem muito esforço, poderemos imaginar a seguinte situação: a partir da liberação do Rei Pelé de forma parcial, uma nova comissão de engenheiros irá fazer uma perícia técnica em todo o estádio. Este serviço irá diagnosticar todos os problemas do Rei Pelé. A partir do relatório elaborado por esta perícia técnica, será entregue um diagnóstico de quais serviços serão necessários para a reforma ampla do estádio. Em um razoável prazo, todo este processo precisará de no minímo trinta dias. Neste cenário, já perdemos o mês de março.

O segundo passo seria licitar a contratação de uma firma que pudesse realizar o serviço. Mesmo que o processo seja em caráter emergencial, deverá durar pelo menos sessenta dias. Este prazo não é exagerado. Tanto é verdade, que no relatório que liberou as grandes arquibancadas, existe uma determinação de noventa dias para a uma nova interdição das grandes arquibancadas, prazo calculado pelos próprios engenheiros para o início da execução de todos os serviços. Já perdemos mais sessenta dias e isso significa que os meses de abril e maio - onde o CRB inicia a sua disputa na Série B, representando Alagoas - já se foram.

Ainda seguindo prazos imaginados pelos próprios engenheiros, em menos de noventa dias todas as reformas não serão concluídas. Este prazo aumenta as contas para os meses de junho, julho e agosto. Em grandes obras é absolutamente normal aumentar o prazo de entrega para mais 30 dias, imaginando-se qualquer dificuldade que se tenha pelo caminho. Se visualizarmos que tudo dará certo, que a licitação não irá demorar, que o Governo de Alagoas irá liberar os recursos para que as obras não parem e que o serviço seja rápido, perderemos mais um mês, chegando ao mês de setembro. A competição estaria a dois meses do seu encerramento sem o CRB ter jogado sequer uma partida no Rei Pelé.

Mesmo sem declarar abertamente que não acreditam que o Rei Pelé estará pronto a tempo, ou seja, antes do qual essa análise se refere, o presidente da FAF, Gustavo Feijó e o presidente do CRB, Wilton Figueroa, já admitem nos bastidores, um plano B, que levaria os jogos do representante alagoano na Série B para a cidade de Arapiraca. Em uma conversa na tarde de hoje na FAF, alertado do risco de que o CRB não iria jogar no Rei Pelé na Série B, o presidente Wilton Figueroa afirmou ser partidário desta opinião e que buscaria um contato com o prefeito de Arapiraca, Luciano Barbosa, para tentar algum tipo de parceria para que a cidade do fumo fosse a casa do CRB na Série B.

Nenhum comentário: