sábado, 20 de setembro de 2008




O CLUBE DE REGATAS BRASIL é um dos clube que leva mais torcedores para os estádios. Um torcedor alegre, ancioso por grandes emoções e bons espetáculos. Para o torcedor regateano nada mais o atormenta do que a gozação dos azulinos depois de uma derrota para o CSA. Mas, na primeira oportunidade, ele dá o troco em dobro.Assim, o futebol é uma fabrica de emoções, onde o torcedor se constitui na materia prima. O fanático torcedor alvi rubro morre a cada derrota do seu clube. A derrota é um impacto que abala até sua ultima fibra.No ano de 1911, fundou-se em Maceió, o Clube Alagoano de Regatas. Uma agremiação cheia das melhores intenções, mas totalmente vazio de meios para cumprir o seu destino. A jóia era de um mil réis, e a mensalidade de quinhentos mil réis. Sua sede era situada na rua do comercio, 138. Apesar de se chamar Clube Alagoano de Regatas, não possuia yoles nem baleeiras, nem remadores. Possuia um punhado de bravos rapazes que desejavam criar um clube esportivo em Alagoas. Entretanto, o novo clube não podia ir a frente, face a pequena receita com a jóia e mensalidade. Entre seus fundadores estavam os jovens Lafaiete Pacheco, Antonio Bessa, Celso Coelho e Alexandre Nobre. O primeiro, procurou junto aos companheiros, um aumento nas mensalidades, mas a idéia não foi aceita pela maioria. Desse mal entendido, nasceu o CLUBE DE REGATAS BRASIL.E foi Lafaiete Pacheco que procurou Antonio Vianna e explicou a sua idéia de fundar um clube de regatas na pajuçara. Aceita a idéia, foram convidados outros sete rapazes para fundar um novo clube em Alagoas. Na rua Jasmim, na pajuçara, no dia 20 de setembro de 1912 foi fundado o CLUBE DE REGATAS BRASIL. Além de Lafaiete Pacheco e Antonio Vianna, assinaram a ata de fundação os seguintes desportistas: João Luiz Albuquerque. Waldomiro Serva. Pedro Claudino Duarte. Tenente Julião. Agostinho Monteiro. Francisco Azevedo Bahia e João Vianna de Souza. Seus primeiros passos foram dados na regata. Assim, através de Lafaiete Pacheco o CRB comprou, em Santos, sua primeira yole. Cada sócio fundador contribuiu com cem mil réis, e os outros cem foram tomados emprestados. Duzentos mil réis foi o valor da yole. O dinheiro foi remetido através do Banco de Pernanbuco e a yole veio pelo navio Itapetinga. A primeira garagem foi no quintal da casa de Antonio Vianna, um dos fundadores.O nome do novo clube foi escolhido depois de algumas divergências. Houve várias conversações e ficou acertado que a nova agremiação passaria a se chamar CLUBE DE REGATAS BRASIL. Um clube forte como a nossa patria. A ata de fundação foi assinados pelos fundadores e mais os seguintes desportistas: Jorge Vieira de Macedo. Alexandre Nobre. Joaquim Pereira. Luiz Buarque. Heitor Porto. Dácio Amaral. Luiz Pizza Sobrinho. Crodegando Gomes. Gastão Silva. A. Camerino e Francisco Azevedo Bahia.O futebol somente entrou na vida do CRB através dos irmãos Gondin mais Lauro Bahia, José Leite e Abelardo Duarte. Começaram jogando "rachas" no meio da rua. Num desses bate bola, a redonda caiu no quintal de um senhor que não gostava de futebol e ameaçou rasgar a bola. Daí surgiu a idéia de se conseguir um local onde se pudesse jogar futebol com tranquilidade. O local escolhido para servir de campo de futebol para os rapazes treinarem foi o mesmo onde hoje se encontra o estádio Severiano Gomes Filho. O terreno pertencia a dona Maria Torres que o arrendou ao CRB por trezentos mil réis. Era um terreno com altos e baixos. Foi necessário que os dirigentes, jogadores e torcedores trabalhassem para transformá-lo num campo de futebol. Todos estavam entusiasmados e não mediram esforços para mudar o visual do terreno.

Um comentário:

Lancenet! disse...

http://www.lancenet.com.br/clubes/CRB-AL/noticias/08-10-13/405543.stm?crb-mantem-esperancas-mesmo-contra-as-estatiticas